O QUE SERIA DO BRASIL SEM O “REAL”?

Share:


Apesar de pouco comentado o Brasil completou esse mês 17 anos do plano Real, um plano que foi recolhido da PUC do Rio de Janeiro pelo então Ministro da Fazenda Fernando Henrique Cardoso e entregue ao Presidente Itamar Franco. Considerado internacionalmente uma das maiores construções da engenharia monetária da história do capitalismo, aqui no Brasil é pouco estudado, mal compreendido e até mesmo difamado, o ex- presidente Lula, por exemplo, chegou a chamar o plano real de herança maldita, quando na verdade ele foi o que mais lucrou com a invenção.
O real nasceu para reduzir uma inflação de 1000% para 3% ao ano o que possibilitou arrancar da pobreza milhões de brasileiros que antes do Real viviam sem a proteção da correção monetária, na verdade a redistribuição da renda no Brasil é um milagre do Real que produziu a estabilização inflacionária, alavancou o crescimento econômico e com isso tornou possível o inicio da redistribuição da renda.
Não haveria aumento real do salário mínimo sem o plano Real e já imaginou o que seria um bolsa família de 100 reais com uma inflação de 1000% ao ano? O plano precisou de 8 anos para consolidar a estabilização, vindo a dar os grandes resultados depois do governo FHC, por volta de 2004, 2005 quando verdadeiramente foram ligadas as tomadas do crescimento do Brasil nos anos iniciais do governo Lula. Mas o importante é que o Real realmente deu certo em suas fases, primeiro a estabilização, depois o crescimento, em seguida redistribuição da renda, agora só é preciso completar esse Brasil do Real com as reformas institucionais e estruturais, todas elas ainda por fazer. Mas apesar disso o Real veio para ficar e o que seria das vidas de todos nós se não fosse a boa invenção do plano Real?

Por Lázaro Farias


Nenhum comentário